Em busca do Monte Azul!

Monte Azul, 16 de setembro de 2012.

Hoje o dia foi mais cansativo que esperávamos, mas mesmo assim aproveitamos um bocado. O ponto alto talvez tenha sido o momento que ficamos tão atentos com o número de caminhões na estrada (eram muitos e estavam meio apressados fazendo ultrapassagens arriscadas “apertando” os outros carros para o acostamento) que acabamos nos desligando da rota e não atentamos que devíamos pegar à esquerda nesta estrada. Acabamos andando uns 50 Km a mais na via principal (uma MG-XXX) até percorrermos uma 2ª MG muito boa, isolados de qualquer outro veículo. Estava interessante, paisagem linda, mas nada de carros (tá… acho que uns 2 passaram por nós) nem caminhões, até que descobrimos o motivo pelo qual veículos pequenos não escolhem esta rota: 30 Km de estrada de terra. Não sei se poderíamos classificá-la como “precária”, mas tive a sensação de descolamento do meu coração, como bem colocou a simpática frentista do posto onde abastecemos.

Apesar dos saltos com o carro e a dor de cabeça que sentimos (sem a possibilidade de tomar um remedinho adequado, pois foi o único que esquecemos de colocar na “mini-farmácia”), o trecho foi divertido. Vimos paisagens muito belas que compensaram as costas judiadas.

O almoço foi num restaurante de estrada num posto. A comida era boa mas como de costume da comida mineira tinha muita carne que, para mim, eram incomíveis! O dono do restaurante ficou um pouco indignado com aquele prato que na opinião dele, era “sem graça” e chegou a oferecer 1 ovo! Mas foi bom. O banheiro era precário, mas o suco natural de goiaba estava de cair o queixo. Foi uma boa parada.

Já estava tarde, viajando mais que o previsto, já que havíamos errado o caminho, o cansaço foi batendo, mas não o bom humor e o carinho que permaneceu durante todo o percurso, até que eu pedi: “Por favor, eu quero dirigir!”.

Tava me sentindo uma mera passageira que indicava se as ultrapassagens do motorista estavam seguras ou arriscadas, que controlava musiquinha do Rei Leão diante do cenário de escassez de água e troncos retorcidos, áreas devastadas pelo fogo impiedoso e carcaças de animais à beira da estrada – não se sabia se o óbito era por secura ou fome. Mesmo assim, algumas vegetações encantavam… Ah! Os ipês roxos e a espécie parecida com ipê com flores brancas! Charmosíssimas! Além das plantas verdinhas com um fruto que não reconhecemos.

Neste interim, quando já dirigia, pude sentir o motor em minhas mãos e o êxtase veio à tona. A dose necessária de adrenalina foi injetada para continuar a viagem com muito prazer e diversão. Foi quando me dei conta que dirigir cansada e a 120 Km/h poderia ser perigoso! Pequenas fissuras na estrada podem se tornar estopim de um grave acidente. Dirigi por 1 hora e me senti satisfeita quando chegamos a Monte Azul, com os olhos cheios de paisagens de Montes imensos de rocha e incrivelmente lindos.

A cidade de Monte Azul é bastante aconchegante e aprendemos que Umbu (uma fruta) se fala “Embu” em “mineirês”! Ha ha ha! Jantamos “vira-latas” (modalidade de cachorro quente com queijo e milho) e “sobremesamos” uma tigela de açaí! Ufa! Tudo bem gostoso!

Uma coisa interessante é que como era domingo à noite, as pessoas estavam bem vestidas indo à igreja. A cidade tinha cheiro de xampu e perfume, o que tornou a caminhada pelo centro bastante agradável. Por estarmos em época de eleições, comícios com carros de som e bandeirolas pelas ruas tomavam conta do cenário interiorano. E também presenciamos dois bares que, mesmo estando lado a lado, não deixavam de competir pelo som (com direito a telão com os vídeo-clips) com mais alto volume e melhor imagem! Foi divertido! A população, os que conseguiam suportar o som da disputa, observavam a cena hilária e se divertiam com suas cervejas.

Enfim… ah! A cena engraçada deste dia foi quando chegamos no hotel e o cara da recepção nos levou 1º para um quarto ocupado, depois nos levou ao 2º quarto com ar-condicionado e perguntamos… “tem internet sem fio?”. E ele responde imediatamente “Sim, claro.”. Respiramos aliviados e esboçamos um sorriso, quando ele nos ergue a mão com o cabo azul! Sim! O cabo azul de internet sem fio, sabe? Pois então… usamos 3G! Ha! Ha!

No mais tudo tranquilo. O quarto do Hotel Primordial era razoável!

Confira também

Comentários

  1. Drikaaaaa !!
    Que máximo !! Estou mega feliz por vcs estarem se divertindo!! Continuem postando as fotinhos !! Super beijos querida irmã e cunhado